Alemanha declara “guerra” digital ao Google

Foi ontem discutido pela primeira vez no Parlamento Alemão, a Lei do Direito de Protecção de Serviços para Editores de Imprensa.

A lei proposta pela coligação de Angela Merkel visa assegurar que as editoras de imprensa no sector online participem na facturação dos motores de busca, quando estes inserem os links.

Segundo o Financial Times, a associação que representa os jornais alemães indica que as receitas caíram 20% entre 2000 e 2009, para os 11 mil milhões de euros anuais.

Em resposta, o gigante americano lançou uma campanha contra a proposta de lei que pode vir a dar protecção legal aos excertos de artigos agregados ao Google News. Em comunicado, o Google escreve: «Quer continuar a encontrar aquilo que procura? Então participe: Defenda a sua rede».

O Google defende que os media ganham visibilidade na sua indexação de conteúdos, podendo, no entanto, e a qualquer momento, optar por não serem mostrados nos resultados da pesquisa.

No final de Outubro, o Presidente do Google, Eric Schmidt, reuniu-se com o presidente francês, François Hollande, numa tentativa de evitar que a legislação imposta na Alemanha entrasse em vigor.

Para isto, a condição imposta seria o entendimento entre os media franceses e a empresa americana até final do ano.

Também em Outubro, os 154 membros da Associação de Jornais do Brasil já tinham decidido deixar de ser agregados na página de notícias do Google.

Fontes: dw.de / publico.pt / jornaldenegocios.pt

Ricardo Francisco / Tiago Neto

Tags: