Alepo, um horror e uma tristeza

O enviado da ONU à Síria, Stefen de Mistura, disse aos eurodeputados que a zona oriental de Alepo poderá estar totalmente destruida até ao Natal.

Nos últimos dias mais de 50mil pessoas fugiram das zonas orientais da cidade, após os avanços das forças governamentais que combatem o DAESH.

Numa entrevista depois do encontro com os deputados das comissões dos assuntos externos e do desenvolvimento, Mistura defendeu a necessidade de alcançar uma solução política. O enviado da ONU dscreve o cenário como “muito negro do ponto de vista humanitário”. O italo-sueco considera que não há provas de que os bombardeamentos estejam a ser feitos pela Rússia assegurando que tem sido a força aérea Siria a executar a largada de bombas. O representante enviado da ONU apela à pressão Internacional para pôr termo aos bombardeamentos.

Em relação a uma possível solução politica, Mistura acha “uma missão quase impossível”, visto a complexidade da guerra e da quantidade de atores envolvidos. No entanto, relembra que em 2015 já tinha sido traçado um plano que poderia solucionar o dificil ambiente geopolitico. Esse guia chama-se resolução 2254 e visa tornar real o processo de paz na Siria. A melhor forma de resolver a situação, segundo Mistura, é focar os agentes na negociação, no diálogo e na convergência.

Face à posiçâo da UE, o secretário-militar da ONU reforça como a Europa se viu afetada com a crise dos refugiados. Estando a liderar a resposta humanitária, a UE pode desempenhar um papel de mediador com o Irão, a Arábia Saudita e outros atores regionais. Porém, o mais importante é a reconstrução e Mistura sublinha que nenhum outro actor terá tanta influência nesta ajuda como a UE. Destaca também que os esforços para colidirem com resultados,exigem uma solução política e inclusiva. Espera ainda que Donald Trump e Vladimir Putin entrem em conversação, de modo a contríbuir para o fim desta guerra que já levou meio milhão de vidas.

fontes: Parlamento Europeu, Visão.

Marcelo Teixeira

Fonte: un.org

ft: Asianews.it

Tags: