Benfica conquista os três pontos frente ao Mónaco

O Benfica recebeu o Mónaco, a 4 de Novembro, num jogo a contar para a 4ª ronda do Grupo C da Liga dos Campeões. O jogo tinha inicio marcado para as 19h45.

Antes do apito inicial, o acesso ao estádio só estava condicionado pelo trânsito da 2ª circular.

Mesmo com esta condicionante, conseguimos chegar ao estádio antes do início da partida.

Não houve problemas à entrada, as pessoas entraram de forma ordeira, civilizada e de forma pacífica.

De modo a manter a segurança dentro do estádio da Luz, fomos revistados pelos seguranças que estavam na porta 26 (foi nesta que entramos), e como é óbvio, à entrada de cada porta todas as pessoas eram revistadas pelos seguranças.

Entramos sem qualquer problema, validamos o bilhete na máquina para esse efeito e dirigimo-nos para o sector 25, fila U, nos lugares 12 e 13.

No momento em que entrámos, era notório que o estádio não ia encher, como o habitual, talvez por causa da falta de pontos na competição, ou por causa do frio, chuva e vento que se fazia sentir ou pelo jogo ser realizado durante a semana.

Mesmo assim, não faltou nunca o apoio dos adeptos à equipa da casa.

O Sport Lisboa e Benfica estava com um ponto no grupo e em último lugar, e desta forma, estava pressionado a vencer o encontro contra o Mónaco para ter hipótese de chegar à próxima eliminatória.

O Bayer Leverkusen liderava o grupo com 9 pontos, o Mónaco estava em segundo com 5 pontos e o Zenit em terceiro com 4 pontos.

Alguns minutos antes da partida começar, as equipas iniciais foram divulgadas nos dois ecrãs gigantes do estádio.

O Benfica ia começar o jogo com Júlio César na baliza, com os defesas Maxi Pereira, Luisão, Jardel e André Almeida, no meio-campo Samaris e Enzo Perez e no Ataque Talisca, Gaitán e Derley.

Artur, César, Benito, Cristante, Bebé, Pizzi e Lima estavam no banco de suplentes com o seu treinador Jorge Jesus.

O treinador do Mónaco, Leonardo Jardim, lançou para o jogo o guarda-redes Subasic, na defesa Fabinho, Ricardo Carvalho, Raggi e Kurzawa, no meio-campo Toulalan, João Moutinho e Kondogbia e no ataque Ocampos, Traoré e Ferreira-Carrasco.

No banco de suplentes sentaram-se Stekelenburg, Abdennour, Dirar, Bakayoko, Bernardo Silva, Martial e Germain.

Após a divulgação das equipas, os adeptos benfiquistas levantaram-se todos para cantar o hino do clube português, rodopiando os cachecóis e as bandeiras ao mesmo tempo que se ouvia e canta em uníssono.

De seguida deste momento tradicional da luz, os jogadores de ambas as equipas entraram ao som do hino da Liga dos Campeões.

Com o público a aplaudir, os capitães da equipa portuguesa e da equipa do Mónaco trocaram as faixas dos emblemas e escolheram o lado ou quem começava o jogo.

O jogo começou às 19.45 como o previsto.

Nos primeiros cinco minutos do jogo, a equipa benfiquista entrou forte, com garra e atitude e criou duas excelentes oportunidades de golo, mas sem êxito.

Ao minuto 3º, Gaitán, numa boa iniciativa individual, rematou para boa defesa do guarda-redes do Mónaco Subasic e no minuto seguinte Talisca coloca a bola no lado direito para Sálvio e este faz um remate cruzado mas a bola saiu ao lado.

Os adeptos apoiavam a equipa da casa constantemente e a equipa retribuía esse apoio.

Durante os primeiros vinte minutos de jogo, o Benfica dominava o jogo mas também foi dando oportunidade ao seu adversário para subir no terreno e colocar a equipa da casa a jogar mais atrás no campo.

O Mónaco cria a sua primeira oportunidade de golo no jogo, através do passe de Carrasco para Fabinho, em que este fez um cruzamento para a zona de finalização, Traoré tentou o remate mas o guarda-redes do Benfica Júlio César faz uma grande intervenção ao tirar a bola dos pés do avançado do Mónaco.

O tempo passava e o empate mantinha-se.

O Benfica não encontrava soluções para conseguir rematar a baliza e o mesmo se passa com a equipa visitante mas, no minuto 38’, Moutinho, após um livre, cruzou para um bom remate de cabeça de Kurzawa que obriga o Júlio César a uma grande defesa.

Contudo, a jogada foi anulada por existir fora-de-jogo da equipa atacante.

Um minuto antes do intervalo, Salvio passa a Enzo Pérez, este isola o seu colega Gaitán mas, este demorou a ajeitar o seu remate e quando o fez Raggi conseguiu cortar e colocou a bola para canto.

Esta foi a última oportunidade de golo para o Benfica na primeira-parte.

O jogo chegou ao intervalo empatado (0-0).

Durante o intervalo, a UEFA colocou imagens dos melhores momentos dos jogos que decorriam a mesma hora que o jogo em Lisboa, e ao mesmo tempo que essas imagens passavam, houve musica para animar o ambiente.

Terminada a habitual interrupção, as equipas trocam de campo, mantendo a formação original, uma vez que não foram efectuadas quaisquer alterações na primeira parte.

Aos 49 minutos, o Mónaco cria uma situação de perigo para a equipa da casa.

Kurzawa cabeceou para a baliza de Júlio César, mas este evitou o golo.

A resposta do Benfica chegou, pouco tempo depois, da zona central, com um remate de Talisca, defendido por Subasic.

A equipa monegasca continuou a pressionar os encarnados, com remates de Traoré e Ferreira-Carrasco, mas não obteve êxito.

Seguiu-se uma substituição em cada uma das equipas.

Do lado do Mónaco entrou Dirar e saiu Ocampos, já a equipa da casa trocou Samaris por Lima.

Pouco tempo depois de ter entrado, Lima tenta a sua sorte com um remate que acabou por ser desviado por Kurzawa.

Quando faltavam menos de vinte minutos para o final da partida, o Mónaco volta a fazer alterações na equipa: entra Martial e sai Traoré.

A poucos minutos do final do jogo, os adeptos encarnados encorajavam os jogadores e demonstravam o seu descontentamento com o árbitro, sobretudo, após este ter interrompido o jogo quando o Benfica estava a contra-atacar, em superioridade numérica.

Para alegria dos benfiquistas, aos 82 minutos, o médio brasileiro, Talisca desviou um cabeceamento de Derley, após canto de Gaitán, fazendo o golo da vitória, que levou ao delírio os adeptos encarnados, que já estavam a perder a esperança de uma vitória.

A equipa de Jorge Jesus conseguiu manter esta vantagem até ao final do jogo, apurando assim mais quatro pontos na classificação.

O Benfica fica assim empatado com o Zenit e a um ponto do Mónaco, mantendo as hipóteses de se classificar para os oitavos de final.

Tal como todo o evento, a saída decorreu de forma ordenada e sem incidentes.

Pelas ruas, os adeptos benfiquistas comentavam o jogo e festejavam a vitória do seu clube.

No rescaldo do jogo, Jorge Jesus declarou: “Sabíamos que só um resultado interessava para estarmos na luta.

Fizemos um bom jogo, muito calculista, diante de uma equipa muito experiente e que defende muito bem.

Por isso é que ainda não tinha sofrido golos.

Era fundamental sermos os primeiros a marcar”.

Leonardo Jardim, treinador do Mónaco, sublinhou o equilíbrio das duas equipas na busca de oportunidades.

Eduardo Carmo, Pedro Emidio

Tags: