Luzes de Natal em crise

Na quadra natalícia, surge sempre as tradicionais decorações que dão alegria às ruas mas estas acabam por consumir grandes quantidades de energias, o que leva os municípios a gastarem mais dinheiro do que o que podem.
Os municípios portugueses vão reduzir os gastos nas iluminações natalícias, devido à austeridade.
Lisboa, Porto e Madeira são a excepção à regra neste Natal cada vez mais “às escuras”.

A Câmara Municipal de Lisboa vai gastar cerca de 250 000 euros nas luzes típicas da época, na zona da Baixa-Chiado, um valor superior em 100 00 euros investidos em 2011.

A Associação de Comerciantes e a Câmara Municipal do Porto, devido à crise no comércio tradicional sentiram necessidade de investirem mais 20% nas luzes e animação deste ano.

De forma a atraírem mais pessoas para fazerem compras natalícias e vão também duplicar a oferta de senhas de estacionamento.

O Governo Regional da Madeira vai cortar 32% na animação de Natal e de fim de ano, no entanto destinou cerca de dois milhões de euros para as decorações típicas desta época, para não prejudicar o turismo.

Para combater a crise e tendo em conta que o mundo não consegue aguentar um consumo energético de tão larga escala durante a época do Natal, uma localidade espanhola chamada de Manlleu, em Barcelona, resolveu criar um sistema barato de iluminações de Natal feitas de materiais reciclados que não precisa de energia.

Segundo o portal World You like, da União Europeia, a empresa espanhola Lavola foi a pioneira desta experiência onde criou uma série de instalações luminosas a partir de infra-estruturas já existentes, como por exemplo grinaldas de alumínio dourado de vários comprimentos que foram penduradas nos candeeiros das ruas.

As grinaldas, para além de atractivas, duradouras e reutilizáveis, são ainda de fácil instalação e não consomem energia pois reflectem a luz do sol durante o dia e a luz dos candeeiros durante a noite.

O directo geral da Lavola, Pere Pous disse, em declarações ao World You Like, “usamos a luz dos candeeiros de rua existentes.

E, além de poupar energia, isso permite-nos também poupar dinheiro e reduzir as emissões” uma vez que esta inovação é uma solução apetecível para quem quer dar mais cor ao Natal de forma ecológica e económica.

Fontes: Boas notícias e Sol

Ana Afonso e Joana Veiga

Tags: