• Início
  • Notícias
  • O pior Benfica de sempre na Liga dos Campeões ou mais Benfica para as competições internas?

O pior Benfica de sempre na Liga dos Campeões ou mais Benfica para as competições internas?

O empate sem golos entre o Benfica e o Bayer Leverkusen, esta terça-feira, no Estádio da Luz ditou a má notícia da época: a eliminação da equipa nas competições europeias.

Nesta edição, a eliminação pode explicar-se através do grupo em que os encarnados ficaram colocados nesta edição da Champions League (o Mónaco ficou em 1º lugar, o Bayer Leverkusen em 2º e o Zenit em 3º e Benfica em 4º lugar).

Esta marca foi a pior na história do clube nesta competição europeia, em a equipa só conseguiu marcar dois golos e conquistou cinco pontos nos seis jogos realizados (até ao momento, a pior campanha foi na época 2010/2011, com seis pontos em seis jogos).

Imagem: Expresso

Neste último jogo, o treinador do Benfica Jorge Jesus já sabia que o jogo se tratava de um jogo de honra, decidiu dar oportunidade a seis jogadores que ele considera suplentes e dar descanso aos titulares mais influentes da equipa nesta época a pensar no clássico do próximo fim-de-semana contra o Futebol Clube Porto.

Antes do jogo, o técnico dos encarnados disse que queria experimentar novos jogadores para os testar, de modo a que possam ajudar a equipa nas competições portuguesas.

Jorge Jesus cumpriu, colocou a maior parte dos titulares habituais e revolucionou o onze habitual.

Jogou Artur na baliza, os defesas André Almeida, César, Lisandro Lopez, Benito, no meio-campo Cristante e Pizzi e no ataque Tiago (mais conhecido por Bebé), Ola John, Lima e Derley.

Estes foram os escolhidos e maior parte dos jogadores surpreenderam pela positiva.

Jorge Jesus queria ganhar quatro ou cinco jogadores e, com este jogo, é notório que tem excelentes opções no seu plantel.

Ola John foi o jogador que se destacou desde o inicio do jogo, em que trabalho bastante bem na ala esquerda, assistiu Lima a atirar à barra, sem o guarda-redes a opor-se, ou seja, com a baliza aberta).

Lima parecia que tinha “dado um chuto” na crise de marcar golos – esteve 2 meses sem marcar – ao marcar no ultimo fim-de-semana no jogo contra o Belenenses mas parece que o “velho” Lima regressou.

Do lado contrário, Tiago (aquele que Jorge Jesus disse que o nome dele não era Bebé, porque não há bebés no Benfica) fez uma exibição esclarecedora do seu rendimento no plantel.

Até ao momento só tinha feito quatro jogos e percebe-se porque é que não é tantas vezes utilizado.

É um jogador muito forte, possui alguma técnica mas peca na sua inteligência de táctica e jogo – é compreensível pelo facto do jogador ter vindo do Paços de Ferreira onde tinha mais espaço para explorar o jogo e levar a equipa “ás costas” para o ataque).

No meio-campo benfiquista, Cristante demonstrou que é uma excelente alternativa para Jorge Jesus na posição seis e Pizzi, apesar de ter poucos minutos, mostrou-se bastante seguro e rotinado para quem não tem competido regularmente.

Duas excelentes indicações para o treinador encarnado, visto que Enzo Pérez pode sair para o Valência em Janeiro.

No sector defensivo, Lisandro Lopes destacou-se mais do que o seu colega César, em que mostrou-se a voz de comando de uma defesa totalmente nova e, apesar da sua inexperiência e falta de minutos, conseguiu travar muitas vezes as investidas do Bayer.

No ataque, Nélson Oliveira deu razão aos adeptos da Luz por não ter mais minutos porque este entrou e, apesar de jogar alguns minutos, entrou bem e teve bons momentos na fase final da partida.

O jovem João Teixeira também entrou, mas não teve tempo para mostrar o seu valor, apesar de entrar confiante e seguro.

Esta má noticia para a equipa benfiquista também deve-se ao facto de terem saído, na época passada, alguns dos jogadores mais importantes da equipa, como o caso de: Garay, Matic, Markovic e Oblak.

Jorge Jesus continua a dar-se mal na Liga dos Campeões mas agora tem mais tempo para colocar os olhos nas competições portugueses e revalidar o titulo da liga portuguesa.

Fontes: abola; Record; Expresso

Eduardo Carmo

Tags: