• Início
  • Notícias
  • Parlamento Europeu quer regras e tecnologia para assegurar privacidade e segurança

Parlamento Europeu quer regras e tecnologia para assegurar privacidade e segurança

O Parlamento Europeu reportou, esta semana num relatório, a necessidade urgente de regras à escala europeia e mundial à cerca da utilização das conhecidas aeronaves telepilotadas (RPAS, na sigla em inglês).

Os eurodeputados começaram por aconselhar várias medidas para assegurar o desenvolvimento de um setor europeu competitivo, a proteção da privacidade, da segurança e a distinção clara entre a utilização profissional e a utilização recreativa.

Os RPAS, que são utilizados num enquadramento profissional trazem algumas vantagens para a utilização civil em diversos domínios.

Constam no relatório exemplos como, as inspeções de segurança e monitorização de infraestruturas (vias ferroviárias, barragens e centrais elétricas), a avaliação da gravidade de catástrofes naturais, a realização de operações agrícolas de precisão (agricultura sustentável), a produção de conteúdos, a termografia aérea ou também a entrega de encomendas em zonas de difícil acesso.

Desta forma, o Parlamento demonstra preocupações no que toca a utilizações ilegais e inseguras destas aeronaves, por exemplo, os aparelhos deixam de ser utilizados como instrumento civil para ser usado como arma com fins militares ou outros, e ainda usados para bloquear sistemas de navegação ou de comunicação.

Segundo o PE, os drones devem passar a estar equipados com um “chip de identificação” e registados para ser possível rastreá-los, conseguir adquirir responsáveis caso seja necessário, e também garantir uma aplicação adequada das regras de responsabilidade civil.

A Europa lidera o sector civil, tendo 2500 operadores, a sua maioria no Reino Unido, enquanto os EUA é líder na utilização destas aeronaves mas apenas no campo militar.

O eurodeputado do PPE diz que esta é:

“uma indústria emergente e em que a União deve ambicionar ser líder, no entanto, esta nova realidade, coloca novos desafios à protecção dos direitos fundamentais, à segurança, às forças de polícia e à ordem pública”

Fonte Texto: Jornal de Notícias e Parlamento Europeu

Fonte Imagem: Google

Raquel Murgeira e Ana Rodrigues

Tags: